O que é Benchmarking e por que você deve fazer?

Quando falamos de Benchmarking em empresas, estamos falando de nada menos que uma ferramenta fundamental para alavancar estratégias e se destacar perante a concorrência.

A palavra “Benchmarking” significa avaliação comparativa em português. E quando colocada em prática em uma empresa, essa avaliação pode render bons frutos, como novas ideias e insigths em relação ao que pode ser feito na organização para que haja um escalonamento ou simplesmente seja otimizada em um ponto específico.

Nesse artigo vou explicar em detalhes o que é Benchmarking, quais são os tipos que você pode fazer, e porquê essa é uma prática obrigatória em qualquer empresa!

 


Você  vai ver nesse Post:


 

O que é Benchmarking?

Benchmarking é um processo de comparação que as empresas fazem para analisar como ela está em relação ao restante do mercado. Essa análise pode ser referente aos processos, produtos ou serviços.

Em resumo, as empresas identificam pontos fortes nos seus concorrentes ou até mesmo em uma de suas filiais, por exemplo, e analisam como podem aplicar esses pontos para trazer benefícios à empresa.

É importante deixar claro que esse processo não consiste em uma simples “imitação” entre empresas. Mas sim, uma análise profunda e com base em muito estudo e muita pesquisa. Até porque, o que pode ser vantajoso para seu concorrente, pode não ser para sua empresa. Tudo depende de vários detalhes que envolvem cada organização.

Ao fazer Benchmarking uma empresa está buscando referências as quais podem influenciá-la positivamente. E para buscar essas referências existem algumas etapas que devem ser seguidas, lembrando que você pode usar os maus exemplos de outras empresas para NÃO aplicar na sua também.

Análise interna

A análise interna é uma etapa do Benchmarking onde a empresa faz uma avaliação cuidadosa a respeito de suas práticas internas e dos processos adotados.

Ao fazer essa avaliação é possível ter total noção de qual situação essa empresa realmente se encontra. Ou seja, é possível entender de fato todos os processos da empresa e, inclusive, saber onde estão os pontos fracos e os pontos fortes da empresa

escalonar

Identificação de fontes de comparação

Depois que você já tiver feito a análise interna da sua empresa, está na hora de identificar as melhores fontes de comparação. Ou seja, encontre quem são as grandes players do mercado que se destacam nos pontos que você selecionou para fazer o Benchmarking.

Em seguida, pegue essa lista de fontes de comparação e decida qual ou quais estratégias você vai usar para capturar os dados que te interessam sobre ela. Essas estratégias podem tanto ser uma via de mão dupla, com parcerias entre as empresas, ou você pode optar por alguma estratégia na qual você deverá conseguir os dados por conta própria.

Comparação de desempenho

Com os dados em mão, comece a fazer as comparações da área que você deseja melhorar na empresa. É provável que você encontre várias diferenças ao começar a fazer o Benchmarking, mas não ache que você deva alterar o seu processo a cada uma delas.

Antes de mais nada, você deve ter certeza que qualquer mudança que você decidir fazer vai realmente trazer algum benefício para a sua empresa. Para isso, é necessário analisar seus KPI’s e fazer projeções do que pode ser útil ou não. Ou seja, analise as metas de melhoria e os prazos estipulados.

Tomada de ação

A tomada de ação, como você deve imaginar, é o momento em que você implementa tudo o que avaliou e planejou nos passos anteriores do Benchmarking. Para que tudo dê certo aqui, lembre-se de planejar bem esse momento!

Por fim, com tudo feito, o que resta é avaliar continuamente os resultados para medir se realmente as ações renderam bons frutos para a empresa. Isso quer dizer que o Benchmarking é um processo de contínua análise!

Quais são os tipos de Benchmarking existentes?

Como mencionei no início, comparar sua empresa com as concorrentes não é a única forma de fazer Benchmarking. Na verdade existem 4 tipos que você pode aplicar na sua empresa:

  • Benchmarking interno: aqui você busca por referências dentro da sua própria empresa. Isso quer dizer procurar comparações em departamentos, setores, filiais, entre outros;
  • Benchmarking competitivo: com fim de entender como você está se saindo em relação aos concorrentes, no Benchmarking competitivo você vai fazer uma análise detalhada da concorrência;
  • Benchmarking funcional: da mesma forma que o competitivo, aqui existe uma comparação entre empresas. Porém, no Benchmarking funcional o objetivo é analisar os processos de trabalho e nem sempre o foco precisa ser em empresas do mesmo segmento;
  • Benchmarking de cooperação: esse tipo de Benchmarking é geralmente muito utilizado. Em resumo, é quando duas empresas, cada uma com um ponto forte, fazem uma parceria para troca de dados e informações sobre o que está fazendo para atingir bons resultados. Ou seja, uma coopera com a outra de maneira que as duas levem vantagem.

Por que fazer Benchmarking?

Fazer Benchmarking é muito importante para que as empresas possam aplicar pensamentos e novas estratégias que não haviam pensado antes. É o famoso “pensar fora da caixa”. Ao fazer isso há grandes chances de evoluir nos pontos focados. Afinal, mudanças e inovações bem feitas são sempre bem vindas em qualquer tipo de organização.

Mas apesar de ser tão benéfico, é importante frisar que esse é um processo que deve ser feito com muita cautela. Então antes de qualquer atitude estude bem a atual situação da sua empresa, como o mercado em geral está se comportante no determinado ponto que você quer melhorar, e as referências que você vai tomar como base.

Se você fizer isso e seguir corretamente as etapas do processo de Benchmarking, com certeza sua empresa irá alavancar de forma saudável e superar cada vez mais os próprios resultados (e os resultados da concorrência também!).

Share